02 de abril de 2017 - 16:25

Familiares e movimento sociais promovem caminhada pelos doze anos da chacina da Baixada

Baixada Fácil

Familiares e movimento sociais promovem caminhada pelos doze anos da chacina da Baixada

Familiares de vítimas e diversos movimentos sociais promoveram, nesta sexta (31/03), a décima segunda caminhada em memória à chacina da Baixada, a maior do estado do Rio de Janeiro, que aconteceu em 2005 quando policiais militares balearam 30 pessoas, matando 29, nas cidades de Nova Iguaçu e Queimados.


A concentração foi na Rodovia Presidente Dutra, na altura do bairro Explanada, e saiu em caminhada por onde as pessoas foram assassinadas em Nova Iguaçu, pelos bairros da Posse até a Cerâmica. Em cada local das mortes, foi feita uma parada e prestada homenagens às vítimas. Além de familiares da chacina da Baixada, outras mães de chacinas, do Borel, Acari, Manguinhos, entre outros casos, estiveram na caminhada.


A caminhada é organizada todos os anos por Luciene Silva, mãe de Raphael, de 17 anos, um dos mortos na chacina, com apoio da ONG ComCausa. Segundo ela, mais do que marcar a data do massacre, o objetivo do ato é cobrar mais segurança para a Baixada e as comunidades vulneráveis do estado do Rio.


“Homens, mulheres, trabalhadores, gente de bem, trabalhadora das favelas, das periferias continuam morrendo por ação de policiais e de grupos criminosos”, disse Luciene.


Adriano Dias, fundador da organização não governamental (ONG) ComCausa, declarou que a violência na Baixada Fluminense diminuiu logo após a chacina, porém voltou a crescer nos últimos anos.


“Houve uma redução no número de homicídios entre os anos de 2005 até 2008. Mas, de 2009 para cá, o número de homicídios voltaram a crescer. Hoje temos números até maiores do que os do período de 2005 a 2007. Fora a situação de violência ter aumentado consideradamente na Baixada. Aqui, a violência que era direcionada, agora é difusa, você passa no meio dos conflitos ou tem maior incidência de outros crimes, como homicídios, roubos a carro, entre outros” 


Adriano Dias defende uma mudança na estrutura da Polícia Militar e da Polícia Civil, com uma política de segurança pública e direitos humanos voltada para a Baixada Fluminense. “Precisa de uma reestruturação total. A partir das ocupações das comunidades por UPPs no Rio de Janeiro, houve o aumento da violência aqui na Baixada. A gente percebe uma migração de dinâmicas de atuação, com crimes que não aconteciam antes, vinculados diretamente ou indiretamente ao tráfico de drogas”.
 


Sobre o caso:


Cinco policiais militares à paisana se reuniram em um bar, no Centro de Nova Iguaçu na tarde do dia 31 de março de 2005. Insatisfeitos com mudanças feitas pela cúpula da PM e a operação navalha na carne, que tinha prendido mais de 60 PMs, os policiais planejaram uma vingança para instabilizar o comando da corporação. Quatro dos cinco PMs deixaram o bar em um Gol e executaram a maior chacina do estado. Foram mortas 29 pessoas em dois municípios da Baixada Fluminense. Em Nova Iguaçu, foram 17 pessoa assassinadas. Em Queimados, foram 12 vítimas. 


Em maio de 2005, o Ministério Público denunciou 11 PMs por envolvimento na chacina. Desses, sete foram pronunciados, em fevereiro de 2006, com a decisão de irem a júri popular, e cinco acabaram condenados, entre os anos de 2006 e 2009.


Para o MP, os cinco condenados faziam parte de um grupo de extermínio que atuava na região.


 

  • Seus dados

  • Nome completo *
    Digite seu nome completo
  • E-mail *
    Digite seu nome completo

  • Dados dos seus amigos

  • Limite de 10 e-mails por envio.
  • Nomes *
    Caso queira enviar para vários amigos, basta separar os nomes com vírgulas.
    Exemplo: George Gonçalo, Ana Leticia, Mauro Gomes
  • E-mails *
    Digite os e-mails dos seus amigos. Siga a mesma ordem dos nomes.
    Exemplo: george@email.com, ana@email.com, mauro@email.com
  • Mensagem *
    Essa mensagem será enviada para seus amigos, junto com a indicação