Colunistas | Sena em Cena | 11 de fevereiro de 2018 - 15:01

MARGENS DA SOCIEDADE

Demétrio Sena, Magé - RJ.

Sempre haverá quem já chegue absolvido ou condenado a um tribunal. Vencedor ou vencido a um concurso. A uma licitação ou disputa similar, para fins de fornecimento ou prestação de serviço. Admitido ou recusado em uma entrevista para emprego. Com patrocínio já garantido ou negado, mesmo se o requerente for alguém antes nunca visto. São muitas as situações. Todas de natureza escusa. Não caberiam num livro. Muito menos em um texto que tem o compromisso de não cansar quem se habilite a lê-lo.


Nestes casos, nada vai depender de uma boa bagagem de conhecimentos. Uma capacidade comprovada. Um currículo avaliado com transparência, justiça e profundidade. O talento; a joia escondida sob a visão da pedra bruta. O que vai contar é a parafernália natural ou composta, quiçá comprada, desde os atributos físicos ao conjunto de posses notórias, palpáveis, passando pelo tráfico das influências e as vantagens pessoais à vista - sempre à vista - que virão de qualquer lado. Cada caso terá suas peculiaridades, a depender dos interesses presentes ou futuros, diretos ou atravessados, ou do simples preconceito, mesmo. Às vezes, um preconceito até simpático, elogioso e com aqueles ares consternados de um leve "sinto muito" ou "quem sabe outra hora".


O mundo pode ser bem mais cruel do que admitimos, para quem não corresponde aos imediatismos, às expectativas superficiais e aos olhos da sociedade. Inclusive aos olhos de muita gente que, pelas desvantagens notórias e flagrantes dentro dos contextos aqui expostos, penou muito mais do que os prováveis, para chegar onde se acha: exatamente no patamar que lhe dá a chance de fazer sua parte na tentativa de promover a igualdade social com que tanto sonhou, quando estava na margem oposta.