Cidadania | 25 de janeiro de 2018 - 18:46

Vítimas de violação de Direitos Humanos na Baixada Fluminense terão assistência jurídica gratuita

Baixada Fácil
Vítimas de violação de Direitos Humanos na Baixada Fluminense terão assistência jurídica gratuita

A Secretaria de Estado de Direitos Humanos e Políticas para Mulheres e Idosos (SEDHMI) assinou, nesta quarta-feira (23/01), um acordo de cooperação técnica com a Universidade Iguaçu (Unig) para oferecer assessoria jurídica gratuita para vítimas de violações dos Direitos Humanos, como intolerância religiosa, LGBTfobia e racismo. Os atendimentos serão realizados por uma equipe composta por estudantes do curso de Direito, supervisionados por professores  e advogados da Unig. A SEDHMI fará uma capacitação com os alunos e educadores na temática de Direitos Humanos entre os dias 12 e 16 de março e, a partir desta data, os casos poderão ser encaminhados à Unig.


"Oferecer acompanhamento jurídico às vítimas é uma forma de garantir que todos tenham acesso aos seus direitos. O município de Nova Iguaçu, especificamente, foi onde registramos o maior número de casos de Intolerância Religiosa na Baixada Fluminense, no último ano. Somente em agosto do ano passado, 17 terreiros foram depredados na região. Esse número é assustador", diz o secretário de Direitos Humanos, Átila Alexandre Nunes.


"Esta parceria mostra que as pessoas da Baixada Fluminense estão sendo vistas e cuidadas no âmbito dos Direitos Humanos" explica a coordenadora geral da EDHaPI, Carmen Caroline Nader. 


A Escola de Desenvolvimento de Habilidades Profissionais Integradas da Unig inclui  ainda alunos de Logística e Administração, uma empresa júnior e um centro de mediação. Este último poderá atuar se necessário, nos casos encaminhados pela SEDMHI.  A parceria ainda envolve a promoção de cursos de extensão, capacitações para gestores públicos e privados, além de palestras com temas de Direitos Humanos. 


Em agosto do ano passado, a SEDHMI criou o Disque Combate ao Preconceito. O canal, que recebe denúncias e oferece assistência a vítimas de preconceito, funciona por meio do telefone: (21) 2334-9551.