Olho vivo, faro fino | 17 de setembro de 2017 - 21:21

EXPOSAMBA - OS 11 BAMBAS & RUI DE CARVALHO

Trata-se de um projeto multimídia, de cunhos paradidático e entretenimento, envolvendo artes-plásticas, música, poesia e textos sobre personagens emblemáticos da MPB, mais especificamente, formatadores e sedimentadores do gênero “Samba”.


 


No ano em quem se comemora os 100 anos da primeira gravação de um samba, tendo no rótulo do disco o termo “Samba” e ainda, sendo esta gravação respaldada por um registro feito na Biblioteca Nacional, no ano anterior, em 1916, é conveniente aos artistas brasileiros celebrarem tal data, tão especial para a cultura nacional.


 


Rui de Carvalho, cantor e artista-plástico de renome nacional, se dispôs a pintar 11 telas com parte destes artistas que fizeram do gênero “Samba” esse relicário e patrimônio do qual desfrutamos hoje, cem anos depois. Portanto, este espetáculo se propõe a reverenciar a data, com imagens de seus compositores, cantando seus clássicos e relembrando fatos pitorescos  sobre tais personalidades que marcaram definitivamente a arte brasileira, sendo o “Samba” o gênero que se tornou um catalisador da cultura nacional.


 


Com reconhecimento nacional, a partir dos anos 30, o gênero “Samba” teve o próprio Estado Novo como o seu primeiro investidor, patrocinando os concursos e os primeiros desfiles das Escolas de Samba, trabalhando na divulgação em massa dos artistas, na época, fortalecida pelo surgimento das emissoras de Rádio.


 


Na década de 1940 o gênero viria a ganhar mais um reforço, desta vez com a exposição internacional da cantora Carmem Miranda e seus filmes produzidos em Hollywood. Assim, o “Samba” começou a ficar conhecido e respaldado como cultura brasileira mundo a fora, desaguando, a partir década de 1970, em um produto de exportação dos grandes empresários da mídia nacional, fazendo com que os desfiles das Escolas de Samba sejam o ápice do carnaval mundial, tornando-se, segundo seu epíteto:


“O Maior Espetáculo da Terra”.


  • Seus dados

  • Nome completo *
    Digite seu nome completo
  • E-mail *
    Digite seu nome completo

  • Dados dos seus amigos

  • Limite de 10 e-mails por envio.
  • Nomes *
    Caso queira enviar para vários amigos, basta separar os nomes com vírgulas.
    Exemplo: George Gonçalo, Ana Leticia, Mauro Gomes
  • E-mails *
    Digite os e-mails dos seus amigos. Siga a mesma ordem dos nomes.
    Exemplo: george@email.com, ana@email.com, mauro@email.com
  • Mensagem *
    Essa mensagem será enviada para seus amigos, junto com a indicação

Sobre o autor

Euclides Amaral é poeta, letrista, produtor e pesquisador de MPB. Carioca, formado em Comunicação Social, publicou os livros de poesias Sapo c/ Arroz (1979/2ª ed. 1984), Fragmentos de Carambola (1981), Balaio de Serpentes (1984), O Cão Depenado (1985), Sobras Futuristas (1986) e Cynema Bárbaro (1989). Lançou Emboscadas & Labirintos (contos/Editora Aldeia, 1995), Alguns Aspectos da MPB (ensaios/2008/2ª ed. Esteio Editora, 2010 - 3ª ed. EAS Editora, 2014) e “O Guitarrista Victor Biglione & a MPB” (perfil artístico/Edições Baleia Azul, 2009/2ª ed. Esteio Editora, 2011 - 3ª ed. EAS Editora, 2014). Entre 1999 e 2015 atuou como pesquisador musical da Biblioteca Nacional, FAPERJ, PUC-Rio, FINEP, CNPq e Instituto Cultural Cravo Albin produzindo verbetes para o site dicionariompb.com.br, também utilizados no Dicionário Houaiss Ilustrado Música Popular Brasileira (Editora Paracatu, 2006). Colaborou em jornais e revistas com textos sobre a MPB. Publicou poemas em fanzines e antologias por várias editoras. A partir de 1978 produziu cerca de 30 discos para selos, gravadoras e artistas independentes. Tem registradas em CDs mais de 60 composições, entre gravações e regravações, em parcerias com Cacaso, Carlos Dafé, Claudio Latini, Heloisa Helena, Jô Reis, Lúcio Sherman, Marcelo Peregrino, Marko Andrade, Reizilan, Renato Piau, Reppolho, Sidney Mattos e Xico Chaves. Entre seus intérpretes constam Anna Pessoa, Banda Du Black, Carlos Dafé, Claudio Latini, Elza Maria, Heloisa Helena, Luiz Melodia, Marcelo Peregrino, Mário Bróder, Marko Andrade, Pecê Ribeiro, Reizilan, Renato Piau, Reppolho e Victor Biglione. Gravou poemas em seis CD de parceiros e em seu disco solo “Quintal Brasil - poemas, letras & convidados”, (Selo Ipê Mundi Records/Noruega, 2012), com a participação de parceiros e intérpretes. No ano de 2013, pela Casa 10 Comunicação, publicou “Poesia Resumida - Antologia Poética 1978/2012”, com 2ª edição em 2014, pela EAS Editora. Mais em dicionariompb.com.br

O LIVRO ALGUNS ASPECTOS DA MPB pode ser baixado de graça clicando aqui.

O LIVRO "O Guitarrista Victor Biglione" também pode ser baixado de graça clicando aqui.

O verbete do guitarrista Victor Biglione pode ser baixado clicando aqui.

Nenhum comentário

Seja o primeiro