Baixada Prosa & Verso | 08 de março de 2018 - 15:37

Apresentação do Poema Pedra

Às vezes o escrever parece um defeito. Sexta-feira, noite, todo mundo rindo e conversando. O sujeito escolhe uma mesa no canto e passa horas a rabiscar papel. Muda a cena. Madrugada. Quase todos dormem. E o cara, à frente do computador, caça palavras. Sorri sozinho, feliz com seus achados. Foi pego na armadilha da poesia. Preso ao ritmo dos versos, cria livre novos universos. Por isso, comparo o poema e a pedra. Esta, tanto vira artesanato quanto obra de arte. Tanto serve de muro quanto de ponte. Tanto embasa o pé que pisa quanto arma a mão que a arremessa. Uma vez em voo, pássaro concreto, nem o próprio atirador atina o seu destino. Pode estilhaçar vidraças, pode afugentar fuzis, pode até abrir cabeças, embora isso seja mais difícil. Também é comum que sejam largadas, ovos anfíbios, à beira do rio – de janeiro ou não. Quem sabe não venha daí uma praga de sapos poéticos e invada a seara dos poetas príncipes, dos poetas pantomima, dos poetas apresentadores de programa de TV?


  • Seus dados

  • Nome completo *
    Digite seu nome completo
  • E-mail *
    Digite seu nome completo

  • Dados dos seus amigos

  • Limite de 10 e-mails por envio.
  • Nomes *
    Caso queira enviar para vários amigos, basta separar os nomes com vírgulas.
    Exemplo: George Gonçalo, Ana Leticia, Mauro Gomes
  • E-mails *
    Digite os e-mails dos seus amigos. Siga a mesma ordem dos nomes.
    Exemplo: george@email.com, ana@email.com, mauro@email.com
  • Mensagem *
    Essa mensagem será enviada para seus amigos, junto com a indicação

Sobre o autor

Jorge Cardozo é Poeta e Gestor de Projetos Culturais e um dos protagonistas da movimentação cultural na Baixada Fluminense. Enquanto prepara seu novo livro de poemas, Ave da Periferia, Cardozo participa de saraus e discute a produção artístico cultural da região. O poeta chegou para falar.

Nenhum comentário

Seja o primeiro